Você usa salto alto?

Hello peoples!

O post de hoje é de uma de nossas colaboradoras Alda (junto com sua amiga de turma Marília Cordeiro e Orientadora) e traz informações muito importantes para nós mulheres que amamos aquele saltinho nada básico. Mas não deprimam meninas, na medida certa tudo é permitido.

“Sabemos que o uso do salto alto deixa qualquer mulher elegante, porém grandes são os riscos que ele pode trazer a saúde, como dores nas costas, no tornozelo e nos joelhos, principalmente em adolescentes que fazem uso contínuo do salto alto, devido o crescimento ósseo e muscular, causando dores na região lombar, desequilíbrio muscular e até degeneração das articulações.

shutterstock_120393655

O uso contínuo pode levar a um aumento da lordose lombar (curva acentuada na base da coluna) deixando a pelve em anteroversão, o chamado “bumbum empinado”. Isso ocorre devido o peso do corpo ser projetado para frente, mantendo o centro da gravidade na parte anterior do pé e isto faz com que no decorrer do tempo, a pessoa adote esta posição mesmo em momentos que não esteja fazendo uso do salto alto.

O salto, pode ainda levar a população a apresentar calosidades, dor no hálux (dedo do pé) e varizes, devido à musculatura da “panturrilha” ficar em constante contração.

Durante caminhadas sem uso de salto alto, o calcanhar recebe maior carga e com isso distribui o peso para o resto do pé. Já com o uso do salto, todo peso do corpo é lançado para frente, evitando equilíbrio e com isso o peso não é distribuído, gerando sobrecarga para os ossos anteriores do pé, chamados de metatarsos.

quadro_salto_alto2-595085-5182f2cf0c37e
Porcentagens aproximadas de distribuição do peso

Para evitar todos os problemas citados acima, não é necessário deixar de usar o salto, mas sim usá-lo somente em ocasiões necessárias e especialmente utilizar o salto plataforma, pois ele garante uma maior estabilidade para o corpo e sempre saltos menores que 4 cm. Evitar também sapatos que apertem os pés e comprar sempre a numeração correta, evitando assim as calosidades.”

 Alda Costa e Marília Cordeiro, Acadêmicas do Curso de Fisioterapia da UNIVALI, orientadas pela Professora Ana Ligia Oliveira.

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s